PELAS ARTES, PELA CULTURA, POR NÓS...

Uma montra para as artes, o ponto de encontro de quem as aprecia.

Entrada  /  
| Angkor Wat |

Floating Cambójia

As extensas paisagens verdes que, ao chegar a Siem Reap os meus olhos veem, são dividas por casas improvisadas e grandes moradias sofisticadas. É notória a diferença das facilidades da vida, mas não pensei que fossem vizinhas… O contraste da pobreza e abundância é feito sobre um manto verde sem fim…lindo.

À entrada da cidade, revi toda a confusão que havia experienciado na fronteira, muitas pessoas, poeira, barulho… Encontrámos um Hotel, respirámos fundo e fomos até ao “centro da cidade”.

E que centro !

Senti-me numa dimensão distinta.

Luzes vermelhas enormes que indicam as ruas como a “PUB STREET” ou a “NIGHT MARKET STREET”  iluminam este local, onde o que não falta são…turistas! Todo o centro está preparado para o turismo, puro e duro. Onde podemos comer algo mais familiar ao nosso paladar ou fazer uma massagem por apenas 3USD. Acabámos por escolher um restaurante local e regressar ao Hotel, numa tentativa de fuga à confusão e recuperação da grande viagem que havíamos feito.

No segundo dia fomos até aos templos em Angkor.

Sem dúvida que cada um tem uma energia mágica, milhares de borboletas e libelinhas sobrevoam aqueles templos. Parecem ter uma dimensão infinita a cada passo de damos, dimensão esta que me faz sentir muito pequenina quando me revejo dentro de cada um.

Foi um dia passado a receber energia e boa sorte, desejada pelos monges que estão nos templos, a imaginar como seriam aquelas ruínas à muitos anos atrás, a caminhar sobre História…

Conhecemos pessoas com energias muito especiais, que nos foram explicando como funcionam as coisas no Cambojia. E, ao visitar a “Floating Village”, uma das muitas vilas, percebemos exactamente o que queriam dizer.

O País, na sua maioria populacional, é pobre e vive em condições bastante questionáveis, no entanto apresentam sempre famílias numerosas, sendo este, um dos aspectos mais importantes para eles.

Outra coisa que move completamente estas pessoas, é o dinheiro. Existe uma grande pressão sobre os turistas para que o gastem (nós sentimos várias vezes), chegando a tornarem-se tão invasivos que nos deixam desconfortáveis.

Qualquer actividade que façamos em Siem Reap, é cara. Os Templos, a viagem até a vila flutuante e, contém submersa em si, quase sempre, uma altura em que é proposto “ajudar” apelando ao donativo monetário para combater a pobreza em que as pessoas vivem.

Torna-se desconfortável a forma como ao fim de tanto regatearem preços incansavelmente , mesmo que não seja do nosso interesse comprar algo (eles regateiam sozinhos), ouvir uma resposta :” Ok! tu tens dinheiro, dá-me o que tens..”, como se fosse uma obrigação termos que adquirir um objecto X ou Y.

Optámos por visitar apenas uma cidade no Cambójia. Fomos enganados, e seguimos viagem num autocarro em que se não fosse acompanhada, não seria nada fácil. Uma viagem de 7 horas em que para fazer xixi, tive que pedir o favor de pararem no meio da estrada, ar condicionado a 5 cm da cara e uma onde dormimos 3 : eu, o Ivo e uma barata.

Despedimo-nos rumo ao Vietnam com um misto de sensações e emoções que não conseguimos descrever.

Sinto-me cansada, na esperança que este nascer do sol traga luz a esta nossa viagem…

#Lilipelosudesteasiatico

 

Bibliografia

Tags: , ,

Autor: Liliana Garcia

É com muita ansiedade embrulhada em medos, que partilho convosco esta minha pequena-grande aventura. Após muito tempo a trabalhar física e intelectualmente a um ritmo alucinante, decidi dedicar o “espaço do tempo” apenas ao meu ritmo e às minhas vontades, Partindo para uma viagem de 55 dias pelo Sudeste Asiático. Tailândia, Malásia, Indonésia, Camboja, Vietname e Laos são os países escolhidos para usufruir do que a vida terá para mim. Só sei onde começo e acabo esta minha viagem, todo o percurso até la será ao saber do vento, das pessoas, das ilhas… Sempre tive um fascínio enorme pelo Sudeste Asiático, em que no meu imaginário vivia cheio de cores e sabores... Dizem que irei ver o mais bonito por do sol. Quero criar contacto com as crianças e adultos locais…perceber se a arte, seja ela em que expressão for, chega àquelas vidas. Proporcionar sorrisos que refletem sorrisos. Um até já… Lili

Deixe o seu comentÁrio

Tem de estar logged in para por um comentÁrio.
Liliana Garcia

Ultimos artigos de Liliana Garcia

O webV no

PUB

logo_VandaMelo-v2

Estúdio Vanda Melo

Movimento em Consciência

logo_PCeCia-v2

PC&Cia

Assistência Técnica Informática

logo_Grafica99

GRÁFICA 99

Impressão Digital

Color Spot

ColorSpot

Consumíveis de Impressão e Escritório