PELAS ARTES, PELA CULTURA, POR NÓS...

Uma montra para as artes, o ponto de encontro de quem as aprecia.

Entrada  /  
The Lobster

The Lobster (2015)

Yorgos Lanthimos não é realizador cujo estilo se perca na imensidão de realizadores anónimos que se massificam pautando-se por determinadas regras de cinema que parecem as correctas ou adequadas, para o bem e para o mal, de forma a conseguirem fazer cinema “normal”. Não. Lanthimos tem cunho próprio, aquilo que actualmente algumas correntes chamam de art-house, vulgo cinema de autor, voltando a apresentar neste Lobster um produto estranho – como oposto a normal – acerca de uma sociedade distópica onde os solteiros são enviados para um hotel para em 45 dias se apaixonarem sob pena de serem transformados num animal à sua escolha.

Parece evidente que o realizador grego procura perseguir um determinado moralismo social acerca da pressão exercida hoje em dia perante os solteiros para que deixem de o ser. Até aqui tudo bem na teoria, é uma temática actual, aliada a uma realização brilhante com composições estéticas belas e criativas, apresentadas com uma banda sonora clássica escolhida a dedo. Mas se esse foco de crítica social em forma de alegoria é mais que actual (na verdade, alguma vez não o foi?) não deveria o espectador sentir-se afectado por ela? É caso para dizer “E se fosse consigo?”. A verdade é que essa questão não se coloca, porque nunca poderia ser connosco. Neste pequeno mundo de laboratório criado por Lanthimos, as personagens são movidas pelo aberracionismo dos seus comportamentos, quais autómatos desprovidos de alma, ou pelo menos alma suficiente que de facto os faça merecer algo mais do que se transformarem num animal, e no caso do protagonista Colin Farrell, numa lagosta. Pobres actores, cuja interpretação está de tal forma manietada por esse aberracionismo que parece que a criatividade da sua profissão está totalmente esgotada pela realização.

Contas feitas, The Lobster é uma demonstração cínica de bom gosto estético, visual e auditivo, com interpretações limitadas pela propositada estranheza da distopia onde vivem, cuja preocupação social vai sem quaisquer complexos pouco além da premissa que podemos ler na sua sinopse, tornando-a totalmente ineficaz. Se era esta ou não a intenção, não sabemos, mas Lanthimos não tem vergonha absolutamente nenhuma de seguir este caminho. O tal cinema de autor tem destas coisas, a sua autenticidade puxará sempre pela opinião mais pessoal de quem o vê.

** 2 Estrelas

Bibliografia

Tags: , , , ,

Autor: David Bernardino

Advogado e crítico de cinema, amante de tudo o que diz respeito à sétima arte. Do cinema mudo ao blockbuster, da comédia ao terror, todo o cinema pode e merece ter o seu lugar. Actualmente escreve no blog de cinema pessoal The Fading Cam e, claro, no webV, já tendo passado pelo Retroprojecção ou pelo Arte-Factos.

Deixe o seu comentÁrio

Tem de estar logged in para por um comentÁrio.
David Bernardino

Ultimos artigos de David Bernardino

O webV no

PUB

logo_VandaMelo-v2

Estúdio Vanda Melo

Movimento em Consciência

logo_PCeCia-v2

PC&Cia

Assistência Técnica Informática

logo_Grafica99

GRÁFICA 99

Impressão Digital

Color Spot

ColorSpot

Consumíveis de Impressão e Escritório