PELAS ARTES, PELA CULTURA, POR NÓS...

Uma montra para as artes, o ponto de encontro de quem as aprecia.

Entrada  /  
man-with-a-movie-camera-main

Man With a Movie Camera (1929)

À data da publicação desta crítica, está a decorrer no cinema Nimas em Lisboa e no Teatro Municipal Campo Alegre no Porto o ciclo de cinema russo, do mudo à Perestroika, mais um grande ciclo que exibe em sala um brilhante catálogo que raramente temos oportunidade de ver. Nada melhor do que iniciar a secção de cinema do WebV com a crítica a Man With a Movie Camera de 1929, um dos primeiros marcos do cinema russo realizado por Dziga Vertov.

Apesar de nos primórdios do cinema mudo se terem filmado regularmente cenas do quotidiano, como a célebre chegada do comboio à cidade (L’arrivé d’Un Train à La Ciotat) exibida publicamente pelos irmãos Lumiére em 1896, o género documental nunca foi algo de verdadeiramente explorado, preferindo as produções, que na altura ainda não o eram, optar pelo cinema narrativo, encabeçadas por Le Voyage Dans la Lune (1902) e The Great Train Robbery (1903), e mais tarde fazendo uso dos inter-títulos para traduzir diálogos.

Ao realizar Man With a Movie Camera, Dziga Vertov pretende filmar cenas do quotidiano de uma cidade russa. No entanto há mais, muito mais, neste marco do cinema além da simples documentação desse quotidiano pois a criatividade em termos imagéticos, de realização e até de arcaicos efeitos especiais caracterizam todos os 60 minutos do filme que infelizmente passam a correr. A câmara, que filma e é filmada naquilo que se poderia em última instância chamar de documentário sobre si próprio (a montagem é feita pela mulher de Vertov, que chega a aparecer na sua sala escura a montar o próprio filme), capta uma industrialização de sociedade e de máquina, galopante em termos metafóricos e literais, tal é a variedade das imagens que nos inundam, desde telefonistas a passar chamadas manualmente, a tapetes industriais, passando por eléctricos que cruzam as ruas e corridas de cavalos e de atletismo. A dada altura esta vertiginosa sucessão imagética tudo experimenta e chega a transportar o espectador para dentro do próprio filme, filmando, além da câmara e os seus técnicos, o seu público. A banda sonora da Alloy Orchestra (a mais consensual para acompanhar o filme) assenta que nem uma luva, dando-lhe o ritmo que a imagem exige e tornando Man With a Movie Camera uma experiência ímpar em 2016, o que é dizer muito uma vez que foi realizado em 1929. Não é fácil fazer um filme mudo que consiga captar a atenção e interesse do espectador, mas Vertov consegue-o sem grande esforço num filme que não tem sequer linha narrativa. É um dos filmes mais criativos de todos os tempos, que quebrou barreiras de realização e conceito. Hoje, com todos os Inceptions que para aí andam, poder-se-ia chamar a Man With a Movie Camera um filme dentro do próprio filme dentro do próprio filme. Não deixa de ser engraçado ver como existe uma certa reciclagem na maior parte das ideias, provavelmente todas, as que foram introduzidas nos primórdios do cinema e esta obra de Vertov é pioneira em grande parte dessas ideias. É mesmo assim, só mudam os valores de produção e os protagonistas.

***** 5 Estrelas

Bibliografia

Tags: , , , , , , , , ,

Autor: David Bernardino

Advogado e crítico de cinema, amante de tudo o que diz respeito à sétima arte. Do cinema mudo ao blockbuster, da comédia ao terror, todo o cinema pode e merece ter o seu lugar. Actualmente escreve no blog de cinema pessoal The Fading Cam e, claro, no webV, já tendo passado pelo Retroprojecção ou pelo Arte-Factos.

Deixe o seu comentÁrio

Tem de estar logged in para por um comentÁrio.
David Bernardino

Ultimos artigos de David Bernardino

O webV no

PUB

logo_VandaMelo-v2

Estúdio Vanda Melo

Movimento em Consciência

logo_PCeCia-v2

PC&Cia

Assistência Técnica Informática

logo_Grafica99

GRÁFICA 99

Impressão Digital

Color Spot

ColorSpot

Consumíveis de Impressão e Escritório